Notícias

Notícia

Lojistas goianienses acreditam em ano mais favorável aos negócios

Lojistas goianienses acreditam em ano mais favorável aos negócios, segundo pesquisa encomendada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Goiânia (CDL) e divulgada ontem. Boas perspectivas são apontadas por 78,1% dos empresários e o principal motivo são ações políticas e econômicas do governo federal, que para os entrevistados trazem otimismo aos negócios.

Um sentimento semelhante existia no mercado em 2019. Mas as expectativas foram apenas parcialmente atingidas, segundo 50,6% dos entrevistados. O presidente da CDL Goiânia, Geovar Pereira, explica que pelo desempenho abaixo do esperado no ano passado é que 2020 começa com maior otimismo. Reformas realizadas, como a da previdência, e as que ainda estão por vir, para ele, trazem o cenário de maior expectativa.

Nesse ambiente, há tendência de investir mais. Conforme a pesquisa, a maioria dos empresários (49,7%) pretende ampliar a presença em redes sociais, há foco em capacitação de colaboradores (44,8%), ações de pós-venda (42,9%) e desenvolvimento de produtos ou serviços (39,5%). “Havia medo de investir por não saber se haveria resposta. Com o consumidor também mais otimista, ampliam lojas, equipe”, diz Geovar.

O presidente da CDL destaca que investimentos, o que inclui a criação de e-commerce (25,8%) e maior publicidade (31,9%), respondem também à mudança de comportamento dos clientes, que mais conectados têm maior acesso à informação. “Quem não estiver preparado, vai perder mercado.” O que pode frustrar as expectativas, de acordo com ele, podem ser os efeitos do coronavírus, que impõe riscos para economia global.

O consultor de varejo Geraldo Rocha defende que a tendência positiva vem de um final de ano que superou expectativas nas vendas no comércio. Da retomada da área da construção civil aos projetos de privatização, ele pontua que tende a ter bons reflexos para o varejo. “Quando a economia retoma, é o primeiro setor que sente. Quando retrai, também, porque as pessoas param de comprar.”

Entre os desafios, Geraldo acredita que o desemprego ainda em alta é fator que dificulta. “Todo mundo está com expectativa, a economia vive de expectativas, mas pode ter reviravoltas.” Ainda assim, ele aposta num primeiro trimestre de crescimento. “O empresário que não colocar dinheiro agora, pode perder o bonde”, pontua sobre a tendência de ampliação dos investimentos pelos lojistas.

Feriados 
Outro ponto que preocupa é que o número de feriados nacionais causará perdas ao comércio. Conforme estudo feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), prejuízo será de R$ 680 milhões em Goiás e de R$ 19,6 bilhões no País. O que é 12% superior ao registrado em 2019 (R$ 17,4 bilhões). Tudo por conta da maior quantidade de feriados que caem em dias úteis. O Estado é um dos que mais sofrem por não ter turismo forte.

Via O Popular

Receba novidades

Informe seu e-mail para receber novidades e ficar por dentro de tudo.